� Inicio Pedido Informa��o Sugest�es Livro de Visitas Contactos
Elei��es para a Assembleia da Rep�blica - Sec��es de Voto s�o todas nos Bombeiros de Valadares
Noticias/Comunicados
A Vila de Valadares
A Junta de Freguesia
Assembleia de Freguesia
Her�ldica
Servi�os Sociais
Educa��o
Imagens de Valadares
Colectividades
Mapa da Freguesia
A sua Opini�o
Gosta de viver em Valadares?
 
Sim
N�o
Geomorfologia e Geografia

Valadares situa-se no Concelho de Vila Nova de Gaia e pertence ao Distrito do Porto.

Esta Vila de Valadares tem de �rea 493 ha e 7500 m. Dista da Junta de Freguesia � sede do concelho de V. N. Gaia 6 Km. e da Junta de Freguesia � cidade do Porto, a dist�ncia � de 12 Km.

A Vila de Valadares � delimitada de forma aproximada pelos paralelos 41� 5' e 41� 6' 32" Norte e pelos meridianos 80� 37' Oeste de Greenwich. Confina a Norte com a freguesia de Madalena, a Este com a freguesia de Vilar do Para�so, a Sul com a freguesia de Gulpilhares e a Oeste com o mar.

Valadares tem uma popula��o residente que, segundo os censos de 1991, � de 8.478 habitantes e densidade populacional de 1741 habitantes. Segundo a Junta de Freguesia, em 1995, a sua popula��o � de aproximadamente 10.000 habitantes (recenseados em 1994 est�o 8700 habitantes).

De acordo com os censos 91 Valadares divide-se nos seguintes lugares: Aldeia, Barroco, Campolinho, Castro, Chamorra, Esta��o, Pedreiras, Penedo, Praia, Sameiros, Tartumil, Valadarinhos e Vila-Ch�.

O clima de Valadares est� inserido no Clima Temperado Mar�timo ou Oce�nico cujos ventos, vindos de Oeste, s�o h�midos e frios.

O relevo de Valadares � caracterizado por uma costa baixa que se eleva na direc��o Oeste � Este (O-E) formando um pequeno planalto. Podemos destacar, no entanto, a zona do Crasto que fica na direc��o noroeste, tendo esta eleva��o servido de defesa �s terras de Vila Ch�.

No limite das terras de Vila Ch� s�o referidas algumas eleva��es denominadas: Pedra Furada, Mamoa de Bezerros, Monte Toural e Outeyro da Guyom da Fonte dOurigo.

A vegeta��o natural existe principalmente junto � praia e � composta por Pinheiros Bravos. Existiu tamb�m, onde hoje � o lugar do Penedo, um Carvalhal.
Segundo os interrogat�rios respondidas pelo cura Manuel da Costa em 1778 por esta freguesia, corre um rio ou regato que n�o tem nome certo. Os moradores d�o-lhe o nome das terras por onde ele passa (rio do Pa�o, rio de Valadarinhos, rio de Vila Ch�). Nasce na freguesia de Canelas, com pouca quantidade de �gua, mas no Inverno corre com bastante leito e, no Ver�o, algumas vezes est� quase seco. � utilizado na rega dos campos para cultivo. Desaguam nele as vertentes dos campos e terras das freguesias de Canelas e Vilar do Para�so e o seu curso � todo ele quieto. Corre de nascente para poente (E-0). S� tem uma esp�cie de peixes (escalos) em pouca quantidade que s�o pescados pela popula��o durante o ano todo. As margens s�o cultivadas e t�m muitos vimes. Existem, tamb�m ligadas ao rio, treze rodas de mo�nho e quatro rodas de azenha que s� pratica-mente moem no Inverno.

A popula��o usava livremente as suas �guas para cultura dos campos, excepto no lugar de Vila Ch� onde esta era paga. Tem uma lagoa pequena no lugar da Marinha.

Com o desenvolvimento de Valadares as �guas polu�das deixaram de fornecer aos seus habitantes os poucos peixes que tinham. Continuam a ser usadas, no entanto, para rega. Paralelamente os mo�nhos foram-se extinguindo havendo ainda algumas ru�nas e nomes de lugares ligados a eles (exemplo: Moleiro, no lugar de Marinha; Rua da Azenha, no lugar de Vila Ch� ).

O quadro geomorfol�gico da regi�o de Valadares caracteriza-se pela exist�ncia de um relevo marginal cuja altitude m�xima n�o ultrapassa os 250 m, e que se desenvolve perpendicularmente ao vale do rio Douro a cerca de 1 km da actual linha da costa. A ele sucede-se, para Oeste, a plataforma litoral sobre a qual assentam dep�sitos de antigas praias que se estendem escalonados at� ao sop� do referido relevo. Constituem, deste modo, testemunhos da oscila��o do mar e da crusta terrestre ao longo do Plioplistoc�nico (fase de uma era geol�gica). Sobre eles ou, em contacto directo com um substracto rochoso, existem frequentemente v�rias forma��es de cobertura dunares e coluvionares, tendo-se estas �ltimas mostrado recentemente bastante ricas do ponto de vista arqueol�gico.

Perpendicularmente a estes terrenos de origem sedimentar, surgem pequenos vales onde correm ribeiros no sentido E � W. Em alguns deles � poss�vel verificar a exist�ncia de dep�sitos aluvionares actuais, geralmente aproveitados para trabalhos agr�colas, bem como de forma��o de g�nese similar, mas mais antigos, posicionados a cotas relativamente superiores.

No que respeita � sua constitui��o geol�gica nota-se a exist�ncia de um afloramento de Prec�mbrico polimetam�rfico predominando um granito porfir�ide, rocha constituinte do maci�o antigo. Para al�m deste, podemos encontrar junto � praia um outro granito de gr�o m�dio, tendo no seu interior uma forma��o que se convencionou chamar de arena-pel�tica de cobertura que poder� ser de origem continental ou de origem e�lica. Ainda se visualizam alguns dep�sitos de praias antigas com diferentes altitudes.

Os dep�sitos de 5-8 m que se podem observar entre as praias de Gulpilhares e Valadares, apresentam uma cor castanha que corresponde a uma ferruginiza��o bastante intensa, que os transforma por vezes, em verdadeiros conglomerados e que, em certos locais, chegam a atingir o n�vel das mar�s baixas.

Pensa-se que na era Cenoz�ica o oceano cobria toda esta �rea. No Quatern�rio houve oscila��es, ficando o mar com o n�vel da actualidade e por outro uma deposi��o de materiais.

Fazendo uma an�lise geral do esbo�o geol�gico de Valadares, podemos concluir que encontramos dois tipos de rochas: as magm�ticas (granitos) e as sedimentares (areias e conglomerados).

No concelho de Vila Nova de Gaia, os dep�sitos marinhos mais elevados situam-se, actualmente pelo 100-110 m e 120--130 m. Considerados Pr�-Sicilianos surgem com frequ�ncia, apresentando geralmente uma grande espessura, como � poss�vel observar em Canelas.

O n�vel de praia imediatamente inferior (80-90m) encontra-se essencialmente no norte do concelho, na �rea de Canidelo e Afurada e ainda na freguesia de Serzedo.

Paralelamente � linha da costa actual, surgem-nos pequenos retalhos do n�vel de 60-70 m de altitude, enquanto que o de 30-40 m se estende quase numa mancha cont�nua, desde Lavadores at� ao limite sul do Concelho.
Entre a praia da Madalena e a da Granja, surgem-nos alguns dep�sitos a 15-30 m, enquanto que os de 5-8 m s� � poss�vel observ�-los numa �rea muito localizada entre as praias de Valadares e Gulpilhares.

Relativamente aos materiais constituintes dos dep�sitos de praia da plataforma litoral, a inexist�ncia de estudos sobre as suas caracter�sticas sedimentol�gicas n�o permite uma abordagem t�o profunda quanto seria desej�vel.

Todavia pode referir-se que na generalidade se verifica um predom�nio de calhaus de quartzo e quartzite, relativamente bem rolados, apresentando dimens�es v�rias nos diferentes n�veis de praias e por vezes no mesmo dep�sito, encontrando-se envolvidos num material arenoso mal calibrado e ainda uma matriz argilosa.

� Pesquisa � 
  -Presid�ncia da R�publica
  -Governo
  -C�mara Municipal Gaia
  -INE
  - Previs�o do Tempo
  - Lista Telef�nica
  - Cinema
  - Jornal de Valadares
 � Junta de Freguesia Valadares - 2004 Todos os direitos reservados  -  Design Neteuro